Buscar
  • Rita Abematsu

Por que sofremos tanto?

Você já deve ter se perguntado isso diversas vezes, mas te digo...

Sofremos porque queremos!

Parece um absurdo?

Parece e é um absurdo, mas explico.

Sofremos por diversas razões e uma delas é pelo simples fatos de estarmos vivos.

Sofremos ao nascer, sofremos por não nos entenderem e daí choramos, gritamos... pois é a única forma que encontramos no começo para manifestar nosso sofrimento, angústia e pela simples falta de compreensão daqueles que convivem comigo, sofremos no primeiro dia na escola, pela separação... isso é só o começo.

Mas depois de adulto, quando já temos alguma compreensão sobre a vida, ou esperamos que a tenhamos, muitas vezes escolhemos sofrer. Viver aquele drama, sentir-se vítima, jogar na cara dos outros suas decepções, cobrar daqueles que estão com você um afeto, uma consideração... E quando não vem? Sofrimento.

Você já não está cansado de tudo isso?

Viver esse sofrimento, esse tormento essa prisão de tristeza que invade seu coração e te paralisa?

Chega de culpar os outros pelas coisas que você deixou de fazer só porque você escolheu fazer outra coisa em pró do outro, você escolheu.

Chega de esperar do outro o que você gostaria e comece a olhar o que o outro está fazendo por você agora.

Chega de se fazer de vítima e comece a arregaçar as mangas para seu próprio bem.

Chega, ok?

Olhe para você e perceba que você não está sozinho neste mundo, mas não por isso precisa colocar os outros na frente de sua vida.

Não se sinta culpado por escolher “você” em primeiro, por fazer aquilo que quer fazer e não se preocupar com a opinião alheia.

Tire a culpa de seu coração para não colocar os outros na frente.

Tire a mágoa de seu coração para não se colocar como status de vítima.

Talvez assim, você comece a se sentir mais leve e a sofrer menos.

Por que sofremos mesmo?

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tratando de relacionamentos

Devemos dar importância a quem nos acrescenta. Chegou um momento em minha vida em que comecei a praticar “economia de pessoas”. Incluo no meu dia a dia todo aquele que dá riqueza aos meus dias, que va